Clique aqui para editar.

Clique aqui para editar.

Clique aqui para editar.

Clique aqui para editar.

Clique aqui para editar.

Clique aqui para editar.

Clique aqui para editar.

Clique aqui para editar.

Clique aqui para editar.

Clique aqui para editar.

Governo Federal fará mutirão carcerário no Pará.

26 ABR 2018
26 de Abril de 2018

O ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, anunciou ontem que será realizado a partir de junho um convênio com as defensorias públicas de todo o país para analisar os casos da população carcerária e reduzir o déficit do sistema prisional. A expectativa é que, até o fim do ano, sejam atendidos pelo menos 50 mil presos, o que representa cerca de 7% da população carcerária do país.

O  ministro explicou que: “Hoje temos uma superpopulação carcerária, que transforma os nossos presídios em arenas de conflitos, que terminam em massacres. É preciso também que aqueles que já cumpriram a pena e poderiam estar fora venham a sair. Fazendo isso estamos reduzindo o déficit de vagas no sistema prisional e outros que tenham cometido crimes considerados hediondos poderão entrar”.

A proposta foi apresentada a Jungmann pelo Colégio Nacional de Defensores Públicos Gerais. Segundo o ministro, a ideia é focar em presos que cometeram pequenos delitos e que podem ser recuperados pela sociedade.

De acordo com o ministro, atualmente o Brasil tem a terceira maior população carcerária do mundo, com 726 mil apenados, sendo que cerca de 40% são presos provisórios. “É melhor colocá-los no semi-aberto, com tornozeleiras ou penas alternativas do que jogar esses jovens na mão do crime organizado, de onde eles jamais sairão”.

CRONOGRAMA

O primeiro estado a ser atendido será o Ceará, em junho, que atualmente tem uma população prisional de 34,5 mil pessoas e 66% de presos provisórios. O estado também tem a segunda maior taxa de ocupação do país: 309%.

Em agosto, será a vez do Goiás, que tem 16,9 mil presos e passou recentemente por uma rebelião com nove mortes e mais de 100 fugas. Em setembro o mutirão acontecerá no Pará, que tem população prisional de 14,2 mil pessoas.

O ministro destacou ainda que: “Nesses três estados faremos um esforço muito grande para contribuir para a melhora do sistema prisional”.

O vice-presidente do Colégio Nacional de Defensores Públicos Gerais, André Castro. Destacou que o calendário deverá ser estendido para outros estados, conforme avaliação técnica que será realizada pela defensoria pública em parceria com o Departamento Penitenciário Nacional (Depen), do Ministério da Segurança Pública.

Segundo a Superintendência do Sistema Prisional do Estado do Pará (Susipe) informou que, de janeiro a março de 2018, foram registradas 28 fugas, com 90 fugitivos e 30 recapturados. Foram registrados 7 homicídios entre detentos.

com informações da Agência Brasil 

Voltar

Rádio Filadélfia FM

Av. Tancredo  Neves  Nº  55  - Jardim  de  Deus - Tucuruí/PA

Tel. (094) 3787 6310 / 98112 0301 / 99256 0203